• Félix Rodrigues

Golfinhos com distanciamento de segurança. Porque não sabemos fazer isso?

Nos Açores sempre vivemos habituados a ver saltitar os golfinhos, toninhas, ao longe.

Ao perto são amistosos e por isso mesmo são facilmente treinados em cativeiro. Criamos com eles rápida empatia por serem "inteligentes".

Os Açores são actualmente um dos maiores santuários de baleias do mundo. Entre as espécies residentes e migratórias, comuns ou raras, avistam-se mais de 20 tipos diferentes de cetáceos nas suas águas, entre os quais, obviamente, os golfinhos.

Este último número impressiona porque corresponde a um terço do total de espécies de cetáceos existentes no mundo, e isso porque os Açores se constituem um ecossistema ou ecossistemas únicos.

Nadar com golfinhos é uma experiência única porque permite estar perto o suficiente para os ouvir e observá-los minuciosamente!

O título é só uma chamada de atenção para que se cumpram as distâncias de segurança. Há imensa gente que não o faz. Não sabem medir distâncias?

A fotografia é de Gui Pinto da Costa.


Texto de Félix Rodrigues


58 visualizações
acda_cubo.png

Associação para a Ciência e Desenvolvimento dos Açores
Canada de Belém

TERINOV - Parque de Ciência e Tecnologia da Ilha Terceira - Sala B4

9700-702 Terra Chã, Angra do Heroísmo

NEWSLETTER

  • White Facebook Icon
  • White LinkedIn Icon
  • White Twitter Icon

© Associação para a Ciência e Desenvolvimento dos Açores