• Félix Rodrigues

Que tal comer um bom prato de plástico panado com feijão verde? Nem no mundo da Alice tal acontece

O plástico conseguiu chegar ao ponto mais profundo do planeta: o abismo Challenger, situado a 11.000 metros de profundidade, onde praticamente nem mesmo o homem é capaz de chegar. A descoberta é a melhor prova da dimensão do problema e de que chegou o momento de se consciencializar e fazer o possível para reverter essa situação.

No futuro próximo em vez de peixe veremos plástico. E cada vez é pior porque cada um pensa que o pouco de plástico que deita ao mar não fará diferença.

Em tempos ouvi defender que as cabras poderiam como o plástico que andava à solta nos campos. De facto, as cabras engolem muita coisa. Os cucos também. Há já muitos peixes com plástico e micro-plástico no estômago.

No futuro, o peixe virá embalado em plástico e acabará no nosso estômago, talvez por isso valerá a pena investir na indústria farmacêutica para arranjar um digestivo para o plástico....

Esta situação foi fotografada por João Paulo B. Rocha na ilha Terceira.



Texto de Félix Rodrigues

41 visualizações
acda_cubo.png

Associação para a Ciência e Desenvolvimento dos Açores
Canada de Belém

TERINOV - Parque de Ciência e Tecnologia da Ilha Terceira - Sala B4

9700-702 Terra Chã, Angra do Heroísmo

NEWSLETTER

  • White Facebook Icon
  • White LinkedIn Icon
  • White Twitter Icon

© Associação para a Ciência e Desenvolvimento dos Açores