• Tomaz Ponce Dentinho

Resenha histórica da luta contra o Cancro nos Açores - Por Luís Brito de Azevedo


ANTECEDENTES HISTÓRICOS

A luta contra o cancro, nos Açores, está intimamente associada ao empenho altruista de dois cidadãos Angrenses, Dr. Cândido Pamplona Forjaz e Dr. Mário Parreira Sousa Lima e de um Graciosense, então médico do Instituto Português de Oncologia (IPO) em Lisboa, Prof. Doutor José Conde.

As 1ªs diligências efetuadas com o objetivo de integrar os Açores na, então, proclamada luta contra o cancro, remontam ao final da década de 40, tendo como propósito a criação de um “Centro Anti-Canceroso”.

No início da década de 50 ocorrem os primeiros contactos formais com o IPO de Lisboa, com o envolvimento do Prof. Doutor Gentil Martins e, após a sua morte, com o Prof. Doutor Eduardo Lima Basto que, para o efeito, se deslocou a esta cidade com o propósito de ser criado o Centro de Oncologia dos Açores (COA).

Uma vez que a instalação do COA tardava e já se sentia a necessidade premente da existência de uma instituição de apoio ao doente oncológico, é criado, em 1966, em A.H. o Núcleo Regional dos Açores da Liga Portuguesa contra o Cancro (NRA/LPCC), presidido pelo Dr. Cândido Forjaz que promove, de imediato, nas nove Ilhas Açorianas um peditório com vista à obtenção de fundos para instalação do COA.

No advento da nossa Autonomia Política e Administrativa, a Professora Fátima Oliveira, então Secretária Regional dos Assuntos Sociais (SRAS), faz incluir no Orçamento Regional a verba de 6.000 contos que, adicionados aos recursos financeiros obtidos no peditório atrás referido, possibilita ao NRA/LPCC, com o incentivo do IPO, a aquisição de um edifício nesta cidade, apetrechando-o com equipamento sugerido pelo próprio IPO que, nesta fase, fez deslocar a A.H. alguns dos seus médicos.

O COA

1º - Criado na vigência do I Governo Regional dos Açores (GRA), pelo Decreto Regional nº 7/79/A, de 24 de Abril, sendo SRAS a Professora Fátima Oliveira;

2º - Inaugurado no dia 13 de Junho de 1982, com a presença do Ministro da República, do Dr. Cândido Forjaz, do Prof. Doutor José Conde e do Dr. Francisco Gentil Martins (à data presidente do IPO), sendo nomeado como seu presidente o Dr. Mário Lima;

3º - Desde então o seu enquadramento legal decorre dos Decreto Regulamentar Regional nº 33/89/A, de 22 de Setembro (que faz cessar o regime de instalação), Decreto Regulamentar Regional nº 1/2007/A, de 24 de Janeiro (que define a orgânica e quadro de pessoal) e Decreto Regulamentar Regional nº 9/2015/A, de 24 de Janeiro (que revê a orgânica e quadro do pessoal dirigente);

4º - Em 1997, o GRA, pela Resolução nº 80/1997, de 1 de Abril, determina que o COA passe a designar-se por “Centro de Oncologia dos Açores – Prof. Doutor José Conde”;

5º - Após o seu início de funções facultou consultas de Medicina e Cirurgia Gerais, Senologia, Ginecologia, Dermatologia e Endocrinologia recorrendo, para o efeito, a profissionais do IPO, do SNS e do SRS.

Foi a 1ª (e única) Instituição do SRS a facultar actos médicos nas seguintes áreas:

v quimioterapia (Junho/82 a 1993);

v laboratório de citologia e anatomia patológica (Junho/82 a 1990);

v colonoscopia (1982 a 1991);

v mamografia (desde Janeiro/82);

v ecografias (desde 1993);

6º - O COA é, pela sua natureza, “um serviço especializado integrado no SRS”, dependente do membro do governo competente em matéria de saúde;

7º - O seu âmbito de actividade é Regional (sendo, aliás, o único com esta característica) e tem a sua sede física e operacional em A.H.;

8º - Tem como atribuições mais relevantes a concepção e coordenação dos programas de “rastreio organizado de base populacional” e de “rastreio prescritivo/casuístico”, bem como a execução e coordenação do Registo Oncológico da Região Açores (RORA);

9º - Na presente data estão em execução os programas de rastreio do cancro da mama (ROCMA), do cólon e recto (ROCCRA), do colo do útero (ROCCA), bem como o programa de intervenção no cancro da cavidade oral (PICCOA);

(Obs. – O rastreio do cancro da mama, por ser o mais antigo em execução é, sem dúvida, o mais divulgado e conhecido pela população dos Açores. A título de exemplo, de 2015 até à presente data, foram detectados 128 casos deste cancro em fase inicial, possibilitando, assim, o seu tratamento. O rastreio e diagnóstico precoce são, inequívocamente, os procedimentos mais inteligentes e eficazes no combate a esta patologia);

10º - No que diz respeito ao RORA estão colhidos e analisados os dados referentes a 18 anos consecutivos (1997 a 2014).

A 1ª edição e divulgação pública de dados ocorreu em 3 de Outubro de 2008, na vigência do IX GRA, sendo Secretário Regional da Saúde o Dr. Domingos Cunha.

Tem, como coordenador científico, o Prof. Doutor Victor Rodrigues, responsável pela disciplina de Epidemiologia da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra.

12 visualizações
acda_cubo.png

Associação para a Ciência e Desenvolvimento dos Açores
Canada de Belém

TERINOV - Parque de Ciência e Tecnologia da Ilha Terceira - Sala B4

9700-702 Terra Chã, Angra do Heroísmo

NEWSLETTER

  • White Facebook Icon
  • White LinkedIn Icon
  • White Twitter Icon

© Associação para a Ciência e Desenvolvimento dos Açores